2011-05-22



As escarpas da caminhada contavam-me
                histórias e mais histórias ...


   o percurso tornava-se da cor da terra,
                              o cheiro embebia-se no meu sangue,
       salpicando de energia
                                     meu olhar...


             escutava o suave ondular dos ramos,
                                              que cantavam por cima de mim...


     o fresco rio serpenteava, 
           seduzindo-me para que o seguisse...


18.05.2011






nasceu um borbulhar 
                  cuja narração 
         floreava por mim...

                              esculpiu-se o lótus
       dum âmago partilhado


entre a minha cúspide
          e as batalhas semeadas
    o cúmulo ergue-se...


relembro o companheiro
                                  de luta
     em cuja espada 
me deleito...






















          





















um dia com nuvens....


O sol escondeu-se por entre raios e corriscos…
             guardando as suas forças para campanhas
                                                         do amanhã…
O vento trouxe um sopro de angústia e fúria…
devastando mares, florestas
                      caminho sem tréguas…
até as montanhas me abrirem
                   os seus braços confortantes,
onde me declino,
            refugio-me
    no cavaleiro do mundo…
A batalha tem outro rosto depois…
   diluído na entrega
                      deixando de ser EU!...

18.05.2011







a maior comunhão que me permito
                                  viver...
  a que me envolve, e só a mim...

ao trazer o outro para o meu ventre...
    renasço como a fonte na encosta
            como o grito do vulcão...
          como o piar do mocho na noite...
     como a estrela que nasce na galáxia...

sorvendo o olhar do outro...
         encontro-me por entre os traços solares...
    e dissolvo-me no seu ser...

2011-05-14

Florescendo por ramos azuláceos...
Pairando por vales dançantes, 
                    escusando vontades perenes...


Deixa-me raízes com sede da descoberta...
    tal corrente humedecida por salpicos pulsantes dum
                                                                    grito perfumado a solo
                                        granjeado de corpos salteados por suores...


04.05.2011


por entre labirintos
             cruzantes de angústia
    transformados em sopros de azul...
estonteantes descobertas
          trazendo-me a incerteza no caminhar...
torneando-me
    encosto a palma da mão...


no meu cerne 
            que pulsa 
seguindo o meu arfar...


não soltando o meu ser 
              dum oceano de estrelas...

Matar um ego...

Matar um ego é um desafio tumultuoso...
                                     deitar-me em lágrimas é minha veste de hoje...


O encoberto traz-me abandono, em que me entrego...
                   a segurança duma luz no meu ser é uma fortaleza...


06.05.2011


trazer-me a mim através 
              dos meus olhos...
   amando-me como uma entrega única...
é uma construção excêntrica e peculiar...


                  despir-me de vestes 
      tão pesadas
                      que me impedem de voar...


a delícia alegre
           da doce ternura 
que sei viver como ninguém o faz
       é uma escolha partilhada comigo
                                              e só comigo...

2011-05-06

a Tara, Geoff's daugther

os raios solares que te tocam
                                pela manhã...
chegam-te com a ternura
                             que escondes.
A revolta embevecida
                      pelo sorriso
         e gentileza


constrói-te os girassóis
    a ansiedade falou-te...
         ...caminho escutaste
                              sensatas flores!
   as ondas do mar
           novas e frescas
   acariciam-te o rosto
    como as palavras
         que escondes no teu coração.


Amanhã...
      as gaivotas contam-te as novas...
      os corvos narram amarguras...
      os falcões sussurram-te as lutas...
e,
     os pintassilgos as histórias de amor!


A coroa de flores
         cresceu entre os teus cabelos
  como na princesa adormecida
                 por ti...


Aleluia,
     frágil petúla que amas!
Aleluia,
             pela busca de hoje!
Aleluia, 
       que cantas a Alegria!


15/16 Dez 1992

2011-05-05

a Masiul, um astronauta singelo!

Singelo olhar
              percorrendo as ondas e anéis de
   Saturno…

Navegando em barcaças
        por oceanos rendados…

Trovando por traços linguísticos
           em danças astutas
sobrevoando a comunhão…

um toque em construção…
          cuja partilha tem um rosto
  escondido
        pelo sol que clamas…

a suavidade de teu caminhar
       transporta-te por aglomerados
          granulosos cobertos de vozes
verdejantes e ramificantes…

estampas-te no horizonte
           malicioso
onde te transformas em
                             homo sapiens…

mais tarde, a descoberta
            de ti
trouxe-te o aconchego
              do ventre reprodutor…

a aspereza infantil
      logrou-se num homem
delicado… atencioso…

a busca incessante
                  torna-se no sonho vigente…
de contornos humanísticos….

To Geoff!











o dia nasceu cinzento
                com o sorriso nos lábios
      e, eu corri
                  para o mar...


    no horizonte
                 vislumbrei-te
                               na crista...
       cada onda rebentada
                 sentia a tua alegria
          comungada no dia-a-dia


Além...
              as flores ondulavam
                          o teu cheiro
              os pássaros cantavam
                       as tuas histórias


e, 
    grão a grão
                 a terra molhada
        trazia-me a tua força
                                          da vida!


Quando a Primavera chegou...
               as borboletas
                                dançavam
             as tuas cores
                             na tela
       que me deixaste
   renascer dentro de mim


Canção adormecida
                        no ninho celestial
       envolvia-me
                     na tua paz


   Amanhã...
               o meu olhar
         contar-te-á como foi
                                            hoje!


E hoje
          mostras-me
                 a palma estendida
                        encerrando o teu segredo.


Cresci,
 ... e, aprendi!


                                      3 Dezembro 1992 
                                     
Caminhando por este tortuoso caminho
            nós viajamos nas nuvens
                          se nos é permitido.


   sentimos o calor solaroso
                                      na pele
       a frescura salgada
                                  do mar
     o toque forte e vivo
                            das pedras
        o assobio musical
                               das gaivotas...


mas,
       a dor desperta-nos
       com a dúvida vivida
       com a esperança interrogada
e,
      erguemos a fronte
                              porque...


     a flor falou-nos
     a terra molhou-nos
     o sol adormeceu-nos
     a lua encantou-nos...
e, 
     agradecemos a VIDA!!!




          8/9 Dezembro 1992

2011-05-04

o meu prazer!

Florescendo por ramos azuláceos…
Pairando por vales dançantes,
                       escusando vontades perenes…
Deixam-se raízes com sede
                                 de descoberta…
Tal corrente humedecida
                               por salpicos
                pulsantes dum grito
perfumado a solo
granjeado de corpos
                              salteados de suores…


O impulso gerado pelo ventre rugoso
                   reboliça pelas encostas
em que os raios solares se deitam…

vestes verdejantes
       cobrem os passos, e gritos
dos que nos rodeiam
             sobrevoam, rastejam, serpenteiam, aninham-se…

num vale com rostos
         brilhantes…
com lágrimas escarlates…
                     com risos anis…

Envolvendo-me na musicalidade desta entrega!...

tocando vários humanos esculturalmente desenhados em mim...

Desenhar o dia é um sonho...
cujos contornos têm a tua cor, o teu rosto, a tua visão...
o seu trilho tem egos empedrenidos...
o dissolvente eficaz corre por ti...
como o AMOR no universo!...



um segredo canta por 
entre os toques dedáleos...

tornando assimilável o sabor...
                    da ruptura e
do envolvimento...
em que te transformas...

por escusos rebentos...
              ...sorves a ansiedade dos teus poros

e o odor dos outros
    ...em fortalezas durázias!


(começado em 03.05, terminado em 04.05)







2011-02-04

não escondo!....

penetro na sua respiração...

           vivo cada movimento do seu templo...

através do seu olhar...
            translúcido...
penetrante...
        suave...
  empolgante...
atrevido...
                maroto...
belo...
        sedutor...

respiro o seu odor...
   e sufoco...

sinto a sua pele...
                     e desvaneço-me...
em gotas...
        púrpuras...
em estrelas....

dissolvemo-nos...
         no caos cósmico...
engrandecemo-nos
   ao longo das caudas galácticas...

escaldante o ar
    se transforma em gotículas
em névoa...
         que dilacera a carne...

e a comunhão explode...
            qual flor vulcânica...
nasceu!!!!!!!!!!!!!................................................






     

o meu encontro...

sinto os contornos dum corpo...
o meu toque
       conta-me as histórias deste corpo...
                                               deste ser...
cada pedaço, cada músculo
                       quando respira, eu pulso com ele...
deslizo pela sua pele...
      respiro cada poro...
os contornos...
            falam da sua magia...
com a qual me embebedo...
com a qual me desenho...


o cheiro que exala...
      envolve-me...
onde me deleito...
me embriego...
          onde me diluo e desapareço...


quando o orgasmo 
            toma conta dos nossos corpos...
tudo se suspende...
   tudo se dissolve...
o seu grito
  entranha-se e deixo
                            de existir...


o SER que sussurra dentro de mim
               nasce
         espreguiça...
e volta a atrair...


crescemos lado a lado...



















2011-01-27

a alegria

eu trouxe comigo a arma perfeita para combater...
os humanos...
as florestas...
os caminhos escusos...
os labirintos, que nos adoram construir!...


junto me acompanhava
                         um ser, cujo rosto
       quis descobrir...


as provas sucediam-se...
para que a luz se reclinasse 
                            sobre os seus olhos 
   e, desdobrassem a máscara 
                                        que o cobria!




reluzia tanto que as flores e as abelhas á volta
        ondulavam... zumbiam... 
os pássaros cantavam a uma frequência...
                       que todos os seres se reuniram
a nós!...




A minha ALEGRIA!
A minha ARMA!
A minha ESPADA!





2011-01-22

Chamavam por mim...
não me encontrava com as minhas raízes...
de encontro a tudo, os meus passos
soavam a silêncio,
meu grito corria nas minhas veias...
Entontecida, recostei-me no que acreditei ser um tronco sólido...
Meu corpo descaiu...
Era oco o suporte!...
Ergui-me com a luz rosácea...
A tarefa torneava por mais que a descascasse...
De repente, um silvo chama-me
A serpente trouxe o desafio
com a mente violácea, ergui a espada
A transformação brotou...


20.Jan.2011
Flutuando sobre brasas
navego pelas brumas...
Descobrir o brilho dos olhos nos ramos
é a aventura...
Solto o grito da montanha
lança-se o trilho da malha guerreira


Voltando-me, vejo o horizonte a acenar...
a luta desenrola-se pela folhagem escarlate...
a vitória ecoa nas trombetas...




O reencontro transforma-se em dia a nascer...
O fruto encanta-se,
contornando os corpos suados...
A consagração é exaltada pelo sémen embrenhado no muco fêmea...
O cheiro a terra envolve os corpos...


19.Jan.2011